Brownstone » Diário Brownstone » Filosofia » Hope Springs Eternal…com Algum Esforço

Hope Springs Eternal…com Algum Esforço

COMPARTILHAR | IMPRIMIR | O EMAIL

No outono de 2021, após 20 anos ensinando filosofia em universidades no Canadá e nos EUA, fui demitido “com justa causa” por desafiar a política de COVID da minha universidade. Desde então, fui entrevistado várias vezes sobre minha experiência. De todas as perguntas que me fazem durante as entrevistas, a minha menos favorita de longe – a que geralmente vem no final – é “Como podemos consertar as coisas?”

Essa pergunta me deixa desconfortável, como se me pedissem para tatear no escuro em busca de algo que pode não estar lá. Exige que eu olhe além da escuridão presente em direção a um futuro mais brilhante e mais leve. Exige esperança.

Mas a esperança está em falta nos dias de hoje e tem sido por um tempo.

Em todos os lugares que olhei nos últimos dois anos, as pessoas estavam perdendo seus meios de subsistência, os vizinhos estavam dando as costas uns aos outros, as famílias estavam se dividindo e a lama virtual do bullying e do cancelamento estava sendo lançada livremente nas plataformas de mídia social.

Então, é claro, havia a agitação constante de pânico e histeria, o silenciamento irrefletido e a iluminação a gás, a intolerância infecciosa e a fraqueza moral palpável. No meio de tudo isso, parece que esquecemos como falar uns com os outros, como ouvir, como ser humanos. Por dois anos, tivemos uma overdose de argumentos preguiçosos, ad hominem ataques e falsas dicotomias – pensamento crítico básico não-não – na tentativa de criar a aparência de um discurso civil que é, na verdade, apenas um fino véu sobre uma cultura que é tóxica até o âmago.

Essa toxicidade se espalhou para todos os níveis da sociedade: governo corrupto, mídia desinteressada, inflação desenfreada e um mal-estar geral se instalando nas mentes de nossos jovens, um dos quais disse recentemente: “basicamente ninguém com menos de 40 anos pensa que algo de bom pode acontecer. novamente."

A humanidade está nas garras de um coquetel tóxico de sarcasmo, vergonha e raiva incandescente. O medo tomou conta de nós, o desprezo é nossa atitude padrão, e nossas falhas morais são tão rotineiras que se tornaram normalizadas, até mesmo heroicas. Estamos, eu acho, em um estado coletivo de desespero. Então, não é surpreendente para mim que eu tenha dificuldade em me sentir esperançoso quando perguntado “Como podemos consertar as coisas?” já que o desespero é a ausência ou perda de esperança (do latim “sem” [de] e “esperar” [sperare]).

Comecei a me perguntar de onde veio esse desespero, que efeitos a longo prazo terá sobre nós e como podemos aprender a ter esperança novamente. Mudanças na crença não são susceptíveis de fazê-lo. Embora possa haver algum 'malabarismo' interno acontecendo aqui e ali, as linhas de batalha são claramente traçadas; a maioria das pessoas está construindo fortalezas em torno das crenças que tinham no início de 2020.

Então, como lidamos com as consequências dos últimos dois anos? Como reconstruir as pontes queimadas? Como aprendemos a permanecer na mesa de jantar quando a conversa muda? Como equilibramos a necessidade de nos apegarmos a quem somos com o desejo de viver em paz com os outros. Como aprendemos a ser humanos novamente? Para ter esperança de novo?

Uma (muito breve) história de esperança

Como sempre faço, comecei a procurar respostas na história, nas histórias daqueles que primeiro tentaram lidar com essas questões.

Talvez a história de esperança mais conhecida no mundo antigo seja o conto de Pandora. Notoriamente, depois que uma série de males escaparam do pote de Pandora, só restava a esperança. Mas se a esperança é um mal por que ela, sozinha, ficou na jarra? E por que, se é bom, estava na jarra em primeiro lugar?

Alguns tratavam a esperança como frívola e perturbadora. Prometeu escreveu que Zeus impedia os mortais de “prever seu destino” dando-lhes “esperanças cegas” e, para Sólon, “esperanças vazias” são as indulgências daqueles que são propensos a pensamentos ilusórios. O sempre pragmático Sêneca disse de esperança e medo que “os dois marchem em uníssono como um prisioneiro e a escolta a que ele está algemado”. (Sêneca, Cartas 5.7-8). Para os estóicos, em geral, a esperança nos distrai do verdadeiro trabalho de descobrir como viver o momento.

Para Camus, o niilista sobre muitas coisas, a esperança é um sinal da futilidade da vida, exemplificada pelo “trabalho fútil e sem esperança” de Sísifo (Camus 119). E para Nietzsche, a esperança é “o pior de todos os males porque prolonga os tormentos do homem” (Nietzsche §71).

Mas a esperança também recebeu alguns tratamentos favoráveis. Platão descreveu a esperança como um dos “prazeres da antecipação”. Thomas Hobbes chamou isso de “prazer da mente”. “A esperança é eterna”, escreveu o Papa otimista. E Emily Dickinson romantizou a esperança como “a coisa com penas que pousa na alma e canta a música sem as palavras…”

A história da esperança é um negócio interessante, mas complicado.

O que é esperança?

Tudo isso me fez pensar sobre o que é a esperança, seja uma emoção, uma capacidade, uma virtude ou outra coisa.

Psicólogos e filósofos tendem a concordar que a esperança pertence à família de atitudes morais que inclui crença, desejo, fé e otimismo. A pessoa esperançosa acredita que coisas boas são possíveis, acredita que o futuro pode ser melhor do que o presente e geralmente é otimista em relação aos esforços da humanidade.

Mas a esperança é mais do que apenas polianaísmo. Enquanto o otimismo é a crença de que o futuro será melhor de alguma forma, a esperança é a convicção de que se pode faça alguma coisa para que fique melhor. A esperança não é passiva. Simplesmente esperar uma situação desesperadora é como “Esperar Godot” (que, aliás, nunca chega).

Em vez disso, a esperança é uma “atitude composta”, que consiste em um desejo por um resultado específico e uma atitude ativa em relação à realização desse resultado (Bloch 201). Pesquisadores em 2013 estudo definiu a esperança como “ter vontade e encontrar o caminho”, imaginando um caminho lógico para realizar nossos objetivos desejados. A esperança é pessoal. Baseia-se na crença de que existem coisas que podemos fazer agora para criar o futuro melhor que imaginamos.

A esperança é uma atitude de desenvoltura.

Por que precisamos do RBI?

A esperança é muito mais do que uma coisa agradável de se ter, uma pequena cereja no topo do bolo de uma vida que já está indo muito bem. É eminentemente prático.

Um recente estudo do “Human Flourishing Program” de Harvard mostra que a esperança está correlacionada com uma melhor saúde física e mental geral, incluindo redução do risco de câncer e suicídio, menos problemas de sono, maior bem-estar psicológico e a capacidade de se recuperar de forma mais eficaz de doenças. Notavelmente, a esperança (ou suas crenças e expectativas componentes) é a única variável que leva ao melhor resultado de uma pessoa quando o efeito placebo está em jogo.

A esperança também tem grande valor moral e é particularmente útil para nutrir a coragem. Enquanto o medo desenfreado gera desespero, a esperança ajuda a criar a confiança de que precisamos para sermos corajosos. A confiança, nos diz Aristóteles, “é a marca de uma disposição esperançosa”. (Ética a Nicômaco 3.7) Dois milênios depois, Anne Frank escreveu que a esperança “nos enche de coragem renovada e nos fortalece novamente”.

A esperança como virtude democrática

Ao pensar na esperança, comecei a me perguntar se ela também tem valor social. Uma coisa que faz é nos lembrar de nossa humanidade compartilhada. Dá-nos um sentido de propósito e solidariedade. Inspira e pega. O discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King ofereceu uma mensagem de esperança que se tornou contagiosa. A esperança traduz o lado destrutivo de nossos sentimentos comuns de impotência — medo, incerteza, ressentimento, culpa — em algo construtivo e unificador. King, escreve Martha Nussbaum, “era muito bom em transformar o medo e a raiva em trabalho construtivo e realizável e esperança”.

Para o filósofo iluminista Spinoza, esperar juntos é natural. Ele escreveu que as pessoas estão unidas por esperanças e medos comuns, e que a única razão pela qual permanecemos fiéis ao contrato social – aquele acordo implícito que formou a sociedade em primeiro lugar – é porque esperamos obter uma vida melhor fazendo isso. . A esperança, diz ele, sempre supera o medo entre as pessoas que são livres. Michael Lamb formaliza o valor social da esperança chamando-a de uma virtude democrática que aperfeiçoa atos de esperança em concidadãos para alcançar bens democráticos.

Por que a esperança tem tanto poder de unir? Uma razão, eu acho, é que nos dá uma história para contar, uma narrativa que dá sentido às nossas vidas. Richard Rorty descreve a esperança como uma meta-narrativa, uma história que serve como promessa ou razão para esperar um futuro melhor. Fazendo isso esperando juntos, Rorty chama de “esperança social”, que requer um “documento de promessa” de cada um de nós para o outro. Que belo pensamento. Com todas as coisas que nos separam hoje, não posso deixar de ser compelido pela ideia de que um “documento de promessa” pode ajudar a nos unir novamente.

Como nutrir a esperança como uma virtude democrática?

Um bom lugar para começar é reconhecer que o risco e a incerteza estarão conosco para sempre. O objetivo de erradicá-los é um sinal de nossa arrogância em pensar que este mundo vasto e complicado é um que podemos controlar. Ser vulnerável aos outros – estar aberto à possibilidade de confiar em alguém que pode machucá-lo – faz parte do que é ser humano. Mas decidir abraçar o risco da vida – tornando-se racionalmente vulnerável – requer confiança, e a confiança é conquistada com muito esforço e facilmente perdida em nosso mundo onde as interações com os outros são de alto risco.

Vulnerabilidade, confiança e esperança precisarão se desenvolver lentamente e em conjunto; pequenos passos em direção à confiança nos farão sentir menos vulneráveis ​​e ajudarão a criar uma base para a esperança. E enquanto estamos construindo essa base, podemos trabalhar para converter nossa vulnerabilidade em algo bom, para vê-la como algo que nos abre para os dons dos outros, criando a oportunidade de desenvolver melhores relacionamentos.

Avançando

Nossa situação é desesperadora? É se habitarmos em nosso desespero. Mas esse é um estado antinatural. A esperança nos torna humanos. Como disse Dostoiévski: “Viver sem esperança é deixar de viver”.

Sêneca disse que devemos escolher entre “projetar nossos pensamentos muito à nossa frente” ou “nos adaptar ao presente”. (Sêneca, Cartas 5.7-8). Acho que isso é uma falsa dicotomia. Podemos optar por olhar além da escuridão deste momento, sendo realistas sobre o que podemos fazer no presente para tornar realidade nossas esperanças para o futuro. Estamos cansados ​​e desesperados, sem dúvida, mas também somos resilientes e engenhosos.

Então, como construímos o hábito da esperança? Como podemos tornar a esperança “pegajosa” para que se torne uma virtude em que podemos confiar.

Não há como negar que isso levará tempo, compromisso e esforço moral. Muito disso precisa acontecer em nossas simples comunicações diárias com a família e os amigos, seja com perguntas, seja com que frequência 'mordemos a isca'. Precisamos reaprender a ser curiosos, a fazer perguntas não retóricas, a manter uma conversa à medida que nossas crenças se alinham e divergem. É preciso mais tempo e paciência do que imaginamos para tolerar e respeitar os outros. O Papa pode ter razão. A esperança pode brotar eterna. Mas é preciso esforço para fazer a primavera fluir.

Aqui estão algumas coisas que podemos fazer para que isso aconteça:

  • Um quarto só seu: Em algum momento, perdemos o interesse em pensar por nós mesmos. Em algum momento, decidimos que nossa principal obrigação é nos “encaixar”, terceirizar nosso pensamento, cumprir e conformar. Na verdade, o oposto é verdadeiro. É o pensamento crítico dos indivíduos – especialmente os discrepantes – que sempre inspirou e regulou as massas. Para pensar criticamente, precisamos de alguma distância da “multidão enlouquecida”, um “quarto só para cada um” para processar o que vem a nós, para encontrar a confiança de que precisamos para começar a esperar novamente.
  • Literatura, história e arte: Essas coisas nos ajudam a nos sentir menos desesperados, lembrando-nos de que não estamos sozinhos, que outros lutaram como nós agora (e provavelmente mais assim). Eles também nos dão heróis da esperança – Florence Nightingale, Atticus Finch, para citar apenas dois – que fizeram algo construtivo da desesperança. A arte transcende as diferenças e nos lembra das partes mais profundas de nós mesmos que as minúcias e as tensões da vida muitas vezes suprimem. Precisamos voltar a abraçar as artes liberais em todos os níveis de ensino para sabermos como fazer a ciência e a tecnologia nos servirem (e não o contrário).
  • Significado: Nosso mundo, cambaleando por uma queda livre pós-modernista, é amplamente definido por um afastamento das metanarrativas do passado (marxismo, utilitarismo, até mesmo cristianismo). Sem algo entrando em seu lugar, não é de surpreender que enfrentemos uma crise de significado. Se não gostamos das antigas fontes de significado, precisamos encontrar novas. Precisamos acreditar em algo para poder ter esperança.
  • Storta com perdão: O estudo de Harvard que mencionei acima identifica coisas que ajudam a criar esperança: atividade física, frequência de contato com amigos e, curiosamente, perdão. Um estudo realmente descobriram que os tratamentos de perdão, como a intervenção psicoterapêutica para ajudar as pessoas a perdoar os outros, aumentam a esperança. A esperança é um sistema de feedback positivo; o que você faz para alimentá-lo, como aprender a perdoar, se tornará muito mais fácil à medida que você construir uma base de esperança.

A esperança é cega?

Possivelmente. Mas isso é parte do que o torna tão valioso. Nosso mundo está cheio de mudanças e incertezas. É difícil encontrar o equilíbrio, quanto mais se sentir otimista, nessa atmosfera de risco. Mas um mundo sem risco, um mundo no qual temos controle sobre todas as variáveis ​​da vida, é também um mundo sem necessidade de esperança. Avançar requer acreditar que nossos esforços são significativos, mesmo que não produzam exatamente o que imaginamos.

A cegueira da esperança não é um reflexo de nossa ingenuidade, mas um sinal da confiança que temos em nós mesmos e uns nos outros. E é por causa da confiança que estamos dispostos a nos envolver em projetos significativos. A esperança, diz a Dra. Judith Rich, “é um fósforo em um túnel escuro, um momento de luz, apenas o suficiente para revelar o caminho à frente e, finalmente, a saída”.

Viveremos para ver um mundo melhor? Vamos trabalhar para sair dessa escuridão atual? Não sei. Mas podemos torcer por isso. E podemos trabalhar de onde estamos, com as pessoas que conhecemos, nas pequenas escolhas que fazemos todos os dias. Levou muito tempo para chegarmos onde estamos e levará uma quantidade comparável de tempo e esforço para reconstruir o que perdemos. Podemos fazer a escolha racional de esperar por um futuro melhor. E podemos dar pequenos passos em direção a esse futuro escolhendo a esperança agora.


Trabalhos citados:

Aristóteles. Ética a Nicômaco. Traduzido por D. Ross e L. Brown (ed.), Oxford: Oxford University Press, 2009.

BLOCH, Ernesto. O Princípio da Esperança, 3 volumes. Traduzido por N. Plaice, S. Plaice e P. Knight, The MIT Press, 1986.

Camus, Alberto. O mito de Sísifo e outros ensaios, Livros Antigos, 1955.

Cordeiro, Miguel. Aquino e as virtudes da esperança: teológico e democrático: Aquino e as virtudes da esperança. Revista de Ética Religiosa, 16 de maio de 2016, pp. 300–332.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano e além do bem e do mal, editado por H. Zimmern e PV Cohn, Wordsworth Editions, 2008.

Sêneca, Lucius Annaeus. Cartas de um estóico. Traduzido por Robin Campbell, Pinguim, 1969.

Reproduzido do Fundo para a Democracia



Publicado sob um Licença Internacional Creative Commons Attribution 4.0
Para reimpressões, defina o link canônico de volta ao original Instituto Brownstone Artigo e Autor.

Autor

  • Julie Ponesse

    Julie Ponesse, 2023 Brownstone Fellow, é professora de ética que lecionou na Huron University College de Ontário por 20 anos. Ela foi colocada em licença e proibida de acessar seu campus devido à obrigatoriedade da vacina. Ela se apresentou na série The Faith and Democracy em 22 de fevereiro de 2021. A Dra. Ponesse assumiu agora uma nova função no The Democracy Fund, uma instituição de caridade canadense registrada que visa promover as liberdades civis, onde atua como acadêmica de ética pandêmica.

    Ver todos os posts

Doe hoje

Seu apoio financeiro ao Instituto Brownstone vai para apoiar escritores, advogados, cientistas, economistas e outras pessoas de coragem que foram expurgadas e deslocadas profissionalmente durante a turbulência de nossos tempos. Você pode ajudar a divulgar a verdade por meio de seu trabalho contínuo.

Assine Brownstone para mais notícias

Mantenha-se informado com o Instituto Brownstone